Os 4 P’s morreram. Viva os 4 P’s!

Há muito tempo o chamado de Composto de Marketing ou Marketing Mix, os famosos 4 P’s viraram sinônimo de Marketing. Lá em  1960, Jerome Mc Carthy que separou e classificou as quatro categorias não sabia o tamanho da importância da categorização que fez. Já ouvi muito executivo em reuniões de planejamento balbuciando que os 4Ps é o Melhor produto que o Marketing já criou e eu afirmo: Isso morreu!

Não estou falando das releituras dos 5Ps, 8Ps, 1000Ps, esqueça isso! O que mudou foram as pessoas.

Antigamente era assim:

Produto

O produto físico ou um serviço, era aquilo que se oferecia aos consumidores. 

Preço

Em síntese era sobre o valores a serem introduzidos no mercado, como financiamento, crediário, prazo médio, descontos, condições de pagamento, entre outros.

Praça

Categoria que define onde será comercializado o produto, onde será vendido, como chegará ao consumidor. 

Promoção

Promoção refere-se à publicidade do produto, ou um conjunto de estratégias voltada à promoção no mercado-alvo. 

 

O mundo é UX

 

Estamos vivendo uma reconquista. Um antropocentrismo pós digital.

O centro de tudo é o usuário e sua experiência.

Precisamos repensar o atual modelo de Marketing com foco em uma experiência incrível em todos os pontos de contato com a marca. E isso deve ser verdadeiro e honesto por parte das empresas.

A primeira grande mudança deve se sobre a entrega. Esqueça o produto ou serviço. Nosso dever é com o mundo, nosso canal é a experiência.

O Primeiro novo P deve ser o Problema.

 

Como a minha marca vai ajudar impactar de forma positiva o mundo e seus usuários?

A forma de entrega vai estabelecer se os valores de ambas as partes estão em sintonia. Se aquilo pelo qual o usuário busca para curar sua dor é parte do DNA da empresa ou de uma oportunidade que ela encontrou para empurrar algo. O ofício deve estar conectado com o propósito.

 

Percepção é o novo preço.

No final da jornada, depois de utilizar a cura do meu problema e ponderar sobre a experiência, o usuário perceberá se o valor empregado para ela foi justo ou não.

Só existe um bom negócio: a boa experiência, inclusive em ter prazer por pagar algo que valha se preço.

 

O Lugar sempre foi uma forma de segmentação, pois poder era mobilidade. Agora, encontrabilidade é a única solução esperada. Segundo Kotler: “a conectividade aumenta,o tempo de interação diminui. Para o consumidor, é a facilidade e a velocidade que importam.”

A Presença aqui é o novo P.

 

O último P é o único que não mudou. Pois ele continua sendo promoção. O que mudou é que antes ela era exterior, era de fora pra dentro. Agora a promoção é de dentro pra fora.

É da percepção do Usuário sobre as Marcas e seu comportamento. Sobre promover valores reais e seus efeitos no meio social.

O último P é Propósito. Aquilo pelo que deveríamos acordar todos os dias. As nossas bandeiras interiores que hasteamos diariamente.

 

Se você tem ouvido muito que o mundo mudou e fica até meio frustrado em ouvir isso deve ser porque você ainda não mudou.

Não dá pra gerenciar Marcas hoje com estratégias e ferramentas do século passado.

Mude!

 

Referências: 

Diógenes Nascimento – Design Culture

KOTLER, P., KARTAJAYA, H., SETIWAN, I..Marketing 4.0: do tradicional ao digital. Rio de Janeiro: Sextante, 2017.


“Marketing Management” *2006 – Kotler, PHILIP & Keller, KEVIN

“OS 4Ps DO COMPOSTO DE MARKETING NA LITERATURA DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO” *2000 – Angélica do Amaral, SUELI